Autor: Antares

Nov10

Localizado ao sul da ilha de Florianópolis, o Parque Municipal da Lagoa do Peri é considerado um monumento natural, sendo a maior lagoa de água doce totalmente potável da costa catarinense com 5,2km² de extensão e 11m de profundidade. São 2.030 hectares de unidade de conservação e 20,3 km² de bacia hidrográfica.

Toda a região do parque está preservada como patrimônio natural pelo decreto municipal nº 1.828 desde 1976, e está sob jurisdição da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram).

Por ser uma reserva biológica o local é rico em fauna e flora e habitado por animais típicos como a lontra, macaco-prego, jacaré do papo amarelo e até aves ameaçadas de extinção, como a gralha azul.

Por seis anos consecutivos o parque recebeu o certificado internacional Bandeira Azul, sendo referência em qualidade, segurança e infraestrutura.

Para conquistá-lo, o local deve apresentar uma série de requisitos estabelecidos pela entidade (ONG FEE), que garantem por exemplo: acessibilidade, segurança, qualidade da água e gestão ambiental.

Na sede do parque há uma infraestrutura pensada para o conforto dos visitantes que contam com estacionamento, banheiros, restaurante e, integradas a natureza, há várias mesas e churrasqueiras à disposição dos visitantes. Há também um pequeno parque infantil, com área arborizada onde as crianças podem brincar e se divertir à vontade além de desfrutarem da água calma e quente da lagoa.

No local, especialmente na temporada (Dezembro a março), há barracas que alugam stand up, caiaque e pedalinho. Para os mais aventureiros há passeios em grupo de stand up e trilhas belíssimas que levam a cachoeiras e antigos engenhos coloniais. Passeio de barco, caiaque e outras espécies não motorizadas, bem como pescarias de linha de mão e caniço também são atividades permitidas por lá.

 

Rod. Francisco Thomaz dos Santos, 3150 – Morro das Pedras, Florianópolis – SC, 88010-102

Aberto diariamente das 7:00 as 19:00

Oct19

Para ser utilizada como um dos vértices do triângulo defensivo planejado pelo brigadeiro José da Silva Paes, a Fortaleza de São José da Ponta Grossa começou a ser construída em 1740 e foi concluída quatro anos mais tarde. Em 1765 foi anexada à fortaleza a Bateria de São Caetano, com a função de aumentar a proteção no lado leste, nas praias de Jurerê e Canasvieiras. A Bateria de São Caetano foi projetada pelo Sargento-mor Francisco José da Rocha durante o governo de Francisco de Souza e Menezes.

Após a invasão espanhola de 1777, a Fortaleza de São José da Ponta Grossa foi praticamente abandonada e somente quando foi tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938, que começou a receber pequenas obras de restauração. Por meio do Projeto Fortalezas, em 1989, a Universidade Federal de Santa Catarina se tornou e permanece como responsável por sua manutenção e administração. Em 1987, a área foi cadastrada como sítio arqueológico e, três anos depois, a Ufsc terminou os processos de escavação no local.

O que você vê por lá

Bateria de São Caetano: Pequena fortificação construída para aumentar a segurança na parte leste da fortaleza.

Quartel da tropa: O antigo lugar da tropa de soldados dá lugar, hoje, às rendeiras que produzem e comercializam as rendas de bilro.

Casa do Comandante: Sobrado de dois andares que também abriga curiosamente o Paiol de Pólvora. A Casa do Comandante expõe “O Cotidiano da Fortaleza de São José da Ponta Grossa – Aspectos da Alimentação” que mostra os hábitos alimentares daqueles que residiam na fortaleza. Além dela, a Casa do Comandante expõe também as peças achadas nas escavações arqueológicas feitas a partir de 1987.

Paiol de Pólvora: Abriga uma exposição de fotografias que contam a história da restauração da fortaleza.

Capela de São José: Foi a primeira construção a ser restaurada pela Ufsc na fortaleza, já que ela ainda é utilizada pela comunidade local.

Fonte de Água: O abastecimento de água potável da região vem de uma fonte de água externa às muralhas.

Praia do Forte: Localizada entre as praias de Jurerê Internacional e Daniela, a praia tem uma longa faixa de areia, águas calmas e temperatura agradável. Veja todos os detalhes na nossa página especial para a Praia do Forte.

A Fortaleza de São José da Ponta Grossa localiza-se na Praia do Forte, no norte da Ilha de Santa Catarina, distante cerca de 25 km do centro de Florianópolis.

Para chegar à fortaleza é possível ir por terra pela Rodovia SC-401 e no km 13, no trevo de Jurerê, passar por Jurerê Internacional, chegando à Praia do Forte.

As escunas, que fazem passeios marítimos na região, partem de diferentes pontos:

Centro de Florianópolis: embaixo da Ponte Hercílio Luz e Trapiche da Beira-mar Norte;
Norte da Ilha: Praia de Canasvieiras e Sambaqui;

O passeio dura seis horas e custa em média R$ 45 por pessoa.

Horário de Funcionamento

Baixa temporada (de abril a novembro): diariamente das 9h às 17h.
Alta temporada (de dezembro a março): diariamente das 9h às 19h. As embarcações poderão atracar na ilha até as 18h.

Valores de entrada

Ingresso: R$ 8 inteira e R$ 4 meia-entrada (com identificação).